segunda-feira, 12 de maio de 2014

LIVRETO - MINI AUTOBIOGRAFIA - TESTEMUNHO - FESTA - FESTA DE 40 ANOS - CARINA BASTOS - LIBERTAÇÃO - CURA - SONHOS

Este texto foi extraído do Livreto que publiquei na comemoração dos meus 40 anos. Muito legal, convidei um pouco mais de 40 amigas e agora compartilho com todos! Abraços Carina Bastos










Vamos começar a festejar, porque este meu filho estava morto e viveu de novo; estava perdido e foi achado.” - E começaram a festa.”

Lucas 15:23b,24



       Que alegria para mim, que você esteja lendo estas palavras! Desde já agradeço pela honra de tê la aqui, para festejar comigo.
Na verdade esta data (do meu aniversário) é apenas um pretexto que estou usando para poder compartilhar e festejar quem realmente merece o meu tempo, meus cuidados e zelo em preparar com o melhor que posso todas estas coisas.
       Todo este tempo...40 anos...posso dizer e até afirmar que estava como o povo de Israel, dando voltas em torno da promessa de uma vida plena e abundante.
Cresci aprendendo e acreditando que Deus era tudo que Ele é: Santo, Digno, Soberano, Poderoso, Justo, Fiel....Aprendi a obedecê lo! E que se não fizesse assim estaria perdida, não iria para o céu, não agradaria a Deus; e isso, para mim, era realmente fora de cogitação. Com o tempo passando, sempre observadora e reflexiva...tinha meus questionamentos em vários aspectos, porém não ousava nem abrir a boca, porquê tinha medo de Deus, do diabo, etc...rs
       Fiz uma decisão pública por Jesus ainda na pré adolescência, em um evento denominado “Mensageiras do Rei”. Foi marcante e achei que ali estava cumprido o meu papel enquanto pecadora . Pronto! Vamos viver agora e esperar o quê de trágico iria acontecer na minha vida, afinal eu olhava as pessoas e todas sofriam por alguma coisa: doença, filho perdido, marido alcoólatra, violência doméstica, e todas as outras mazelas humanas.
E aí começou minha batalha da mente....
Sou caçula de três irmãos, Um mano que amo e admiro José, e uma mana que amo e admiro Valnice. Do José sou distante 9 anos, e da mana, 1 ano e meio.
Logo, Ela decidiu viver outras experiências longe, e fiquei ali, sem entender bulhufas, e meu irmão já trabalhava o dia todo, estudava...enfim, fiquei “sozinha”.
Com o passar dos anos, muitos sentimento se apropriaram do meu subconsciente...e o meu “consciente” lutava muito ...pois eu jamais aceitaria assumir que tinha tais sentimentos nos quais eu pensava que uma pessoa que servia a Deus poderia ter. Estaria “desagradando a Deus”.
       E o tempo passando, claro...viemos para o Espírito Santo, onde a princípio me senti profundamente arrasada! Agora sim, estaria sozinha, sem os amigos da Igreja, do bairro, dos primos...Contudo, para minha surpresa, encontrei aquele que tinha nascido exclusivamente para ser meu amado. O Joka. Aleluia....fiquei muito feliz...namoramos, noivamos e nos casamos.....
       Não sei se você sabe, mas, o diabo é sujo. E quando ele quer roubar, matar e destruir, ele não poupa esforços....e a mente foi onde ele achou que poderia me matar, pois nas atitudes seria difícil, pois eu era (achava ser) super obediente: aos pais e principalmente a Deus.
No meu casamento no Civil, eu fui sozinha....é: para mim foi um dos piores dias da minha vida! Estava ali, sendo entregue a um homem e sua família que nunca tínhamos sequer almoçado juntos( digo eu e sua família, na casa deles...rsrsrs, ai, ai! Agora eu posso sorrir disso!
       Então....e para ajudar, logo depois de pouco tempo, meus pais voltaram para Minas Gerais. Me senti sozinha no meio de muita gente! Será que isso já aconteceu com você?
Não sei se você sabe também que o Espírito de rejeição pode ser como no meu caso: por motivos “virtuais”; ou seja: Eu nunca fui rejeitada pelos meus irmãos, pelos meus pais, por ninguém! Mas o espírito imundo estava lá, injetando feridas profundas, dolorosas..mas que nem eu admitia ter. Eu achava que dava conta de não sofrer, de tirar por menos algumas situações, quando na verdade eu estava sendo uma suicida.
       Não me sentia rejeitada não só pela família, mas, principalmente por Deus! Ele sim era o verdadeiro culpado por eu estar assim: tão longe, perdida e sem salvação....ninguém me amava realmente! Como cresci temendo muito a Deus ( na verdade tinha medo Dele), o Poderoso! Não abria a boca para reclamar de nada....”tinha tanta gente com problemas piores”...”que coisa feia a murmuração”....”não fala que o diabo ouve”...”Você é uma benção” ...”Você é forte”.
       Muita responsabilidade, um testemunho a dar, agora três filhas que vão te copiar...meu Deus! Socorro!
Na verdade sempre quis um Deus que me amasse como Ele amava o mundo todo, conforme João 3:16 “ Porque Deus amou o mundo de tal maneira, que enviou seu único filho, para que todo aquele que Nele crer, não pereça, mas tenha a vida eterna”.
Não sentia que Ele me amava...como Ele me amava, se minha família me abandonou? Se as coisas estavam sempre tão difíceis de conquistar? Eu me dava tanto nos trabalhos da casa Dele e nada?
Sabe, que por muito tempo, me senti alimentada pelas migalhas que caíam do prato do meu marido? Pois é....verdade! Eu dava um duro danado...trabalha em casa, fora, na igreja, aguentava os ensaios “chatíssimos”....e não me alegrava, as coisas não fluíam...era mais mal humorada do que hoje....feia...amargurada. Mas, dava conta de tudo! E meu Marido, não se esforçava tanto ( eu achava) e era ' O Cara”. Gente boa...sorridente...tudo dava certo....E me dava até inveja. Feio né? Mas é verdade!
Como eu tinha sede de Deus, mas do Deus Pai. Do Deus que eu ouvia dizer...”que pegava no colo”, que Ele “ajuntará os seus filhos como uma galinha ajunta seus pintinhos”....Parecia até que eram dois “Deuses” diferentes....
       Uma experiência que tive marcante de sentimento de abandono, foi quando fui pela primeira vez para o Tratamento de Caroline ( minha filha) em Brasília. Chegando no Hospital Sarah, fizemos uma consulta e nos pediram para preparar para internarmos: Eu e Caroline. Olha, que dias trágicos “para mim”.
       Pra começar, tínhamos que entrar no banheiro tipo baia onde tomaríamos banho, tirar todos os pertences e entregar para a enfermagem. Colocamos uma roupa tipo de presidiário ( que alguns de vocês já devem ter visto em fotos), e vieram passar uns cotonetes nas orelhas e nos ouvidos para ver se tínhamos alguma bactéria para não contaminar os pacientes....pensa....Eu já estava engasgada!...Subimos.....e quando chegamos na enfermaria da pediatria, eu queria voltar. Crianças com todo tipo de deformidade que nem em livro eu tinha visto..ali...do meu lado, fazendo todas as necessidades....almoçando, lanchando. Suas mães totalmente sem esperança, sem brilho nos olhos....e para meu desespero, me senti abusada por Deus! Eu, que nasci praticamente dentro de uma instituição religiosa, que pregava que Deus era amor, ver aquela situação e não ter nenhuma palavra de conforto, de esperança para aquelas pessoas. Me senti um lixo em todos os sentidos. Fiquei realmente com muita raiva de Deus. Eu não podia ligar pra ninguém, não podia chorar, não conseguia rir, não conseguia comer e nem encarar a Carol com medo dela me perguntar porque a cabeça daquela criança era daquele jeito, porque aquela criança só tem tronco e cabeça torta? Eu realmente não saberia dizer nada. E graças a Deus ela também ficou pianinho. Mas ali, naquele “inferno da minha mente” eu não aguentei: Tinha levado uma bíblia enorme nova que tinha ganhado do meu marido....pensei que ia me ajudar naqueles dias...enfim: “Coloquei Deus na parede” me lembrei do discurso dos satanistas que Deus não é tão bom assim...como Ele pode amar as pessoas de Ele permite que coisas ruins aconteça a crianças tão inocente? Então com muito ódio, dor, mágoa e tudo mais de ruim que você possa imaginar disse a Deus que eu não tinha saída...que mesmo que Ele fosse uma fraude, um engodo...ou mesmo não existisse realmente...ou que tudo que eu tinha aprendido a vida todo fosse uma história da carochinha,...eu não iria me largar Dele. Já que Ele me levou até ali, eu iria com Ele até para o Inferno.....Ficaria ali humilhada, muda, engolindo cada choro...mas, Ele ia ter que mudar minha história, eu queria experimentar desse Deus que eu não conhecia...não sentia...Ele não poderia me abandonar mais.
Passei ali, uma semana. Parecia um mês....
Dias de deserto, que eu rejeitava os manás, a coluna de fogo a noite e a nuvem de dia....

       Eu ouvia muito dizer sobre um tal “Encontro com Deus” que estava acontecendo por aí afora.....olha, eu era louca para ir...mas nunca tive oportunidade.

       Foi quando neste Ministério novo de Deus em minha vida, um tempo de muita cura, que Deus oportunizou este encontro “trágico”! Trágico porque quase morri num acidente no ônibus que nos levava...e mais uma vez me aborreci com Deus...naquela fração de segundos que você vê a morte chegar....falei com Ele: “ Poxa... o Senhor não me ama mesmo né? Vai me matar aqui no meio do caminho para o encontro que eu queria ter com você.... Tá bom....vamos então....O Joka vai ficar bem com as meninas porque você gosta mais dele mesmo....e fechei os olhos...., e o milagre começou a acontecer...
Inexplicavelmente, a situação que nos envolvia se desfez, o ônibus pegou e fomos ao encontro.
       E foi uma briga de filha e pai. Eu queria tudo...e Ele tinha tudo para me dar...,mas eu estava muito ansiosa....as coisas estavam acontecendo com todo mundo e eu estava ali esperando. Quero que você entenda que na minha cabeça eu tinha um bom relacionamento com Deus, pois eu “fazia tudo certo”, eu “obedecia”, lia a bíblia, orava, ajudava as pessoas, dava os dízimos e as ofertas, respeitava meus pastores, era uma “boa” esposa, “excelente” mãe e dona de casa....uma “beldade” não? Uffa...cansei! Eu era tudo e nada ao mesmo tempo, Fazia tudo e não tinha um feedback.
O que eu queria aqui na terra neste tempo:

-A cura da minha filha,
-Uma casa baixa,
-Um quintal só pra mim,
-Fazer Arquitetura

       Olha, por um longo tempo isso me martirizava...Não via que o meu marido iria me dar estas coisas, não pensávamos da mesma forma, nossas prioridades não eram as mesmas..., como ele pode pensar desse jeito..( pensava eu 24 h por dia). E Deus era o culpado por ele pensar e agir assim....é o marido que Deus me deu....tá vendo como Deus me ama? E agora? Não posso tomar nenhuma atitude porque senão passarei por cima do meu marido...ele que tem que tomar as decisões...e realmente, eu não queria pecar....conheço a palavra, os ensinamentos. Mas por dentro, eu estava morta.
       Amiga, num determinado momento deste encontro...quando meus neurônios já estavam quase saindo pelos buracos da cabeça....Deus me tocou! E a ficha caiu! Como eu tenho que perdoar Deus por tudo de ruim que Ele me tem feito? Isso é loucura.....Uma blasfêmia....Pecado mortal....e agora?.....Mas era um sentimento para me fazer entender que em toda minha vida eu não aceitava o Amor de Deus por mim! Na verdade eu não acreditava que Jesus tinha rasgado aquele véu...que eu podia ter Deus perto...podia tocá-lo e ser tocada sem intermediários....sem reservas ou protocolos....
       Um sentimento de vergonha, tristeza, dor e arrependimento veio e me dilacerou....e pra encarar Deus de novo? Depois de tudo que falei com ele no Hospital e durante todo este tempo fingindo que era gente boa? Me senti Eva no Jardim do Éden...mas, com uma diferença: eu não seria expulsa do paraíso porque Jesus passou toda vergonha que eu tinha, foi humilhado, cuspido, violentado em toda sua estrutura física e emocional.
       E foi assim.... de lá pra cá tem sido vários encontros..e cada um deles mais especiais que outros...e eu me encontro com Ele nos lugares mais inusitados....brinquei com Ele na Praia Grande um dia desses...gente, eu parecia uma criança, correndo na água com Ele, conversando sobre as crianças, sobre minha família..., encontro com Ele lavando louça, fazendo comida, na rua, com clientes.....dormindo...malhando...Enfim, Ele mudou minha história.
       Em um destes encontros Ele me falou umas coisas....Eu estava refletindo sobre meus irmãos...que ainda não se decidiram por aceitar o seu amor também em estar em “comunhão com Ele em Igreja”, e Ele me deu uma dura: Porque muitas vezes achamos que as pessoas que não estão na Igreja, estão perdidos...são “filhos pródigos”. Foi quando Ele me disse que durante os 36 anos de minha vida, eu estava perdida dentro da casa do Pai. Verdade! Tão perto do reino, fazendo as coisas do reino..porém, sem salvação!
       E este é o motivo desta festa hoje! Eu estava perdida e fui achada, estava morta, mas, Ele com muito amor….me ressuscitou! Aleluia!
Combinamos então, eu e Ele de fazermos esta festa com muita alegria, com danças, e comidas....Porque Deus mudou o meu choro em dança alegre e afastou de mim a tristeza, e me cercou de alegria.
       Hoje, Continuo querendo as mesmas coisas aqui na terra:

- A cura da minha filha Carol,
- Uma casa baixa,
- Um quintal só pra mim
- Fazer Arquitetura ( Comecei agora em fevereiro de 2014)

       Porém não me movo mais nesta angústia...Oro por isso, mas sou feliz...tão feliz..que minha alegria de viver não depende de ter estas coisas ....Se Deus me levar hoje, sem te las conquistado, vou muito feliz por ter Encontrado e aceitado este grande amor que me fez morar em lugares altos, para poder ver a maravilha da sua criação e saber que Ele está ali comigo sempre ( Ele nunca me abandonou); que Ele tem, ou vai ter ,uma experiência pessoal com minha filha nesta área física; que eu preciso aprender a lidar com pessoas dentro deste “quintal” em amor, sabendo que o que eu planto não é meu...é Dele e para Ele....e que o maior projeto que eu posso fazer, é levantar e treinar uma equipe que Ame Crianças e que estejam dispostas a ministrar este grande Amor de Deus em seus corações. É isso!

       Pelas perspectivas humanas e genéticas, viverei no mínimo mais 50 anos...ô glória! Apesar do tempo perdido com minhocas na cabeça e longe de Deus, Ele me revelou isto, e poderei viver na expectativa de agradá lo realmente , ganchando vidas tão pequenas e preciosas para Ele!

       Deus, eu te amo e mais uma vez declaro que farei da minha vida e expectativas serem os teus sonhos, para mim e para minha família! E jamais permita que eu venha sentir sentimentos de morte e abandono em Nome de Jesus!

Obrigada, porque o Senhor veio e aceite esta festa como gratidão e adoração!

       Quero incentivá la a fazer uma reflexão sobre seu relacionamento com Deus. Se você deseja uma mudança de vida, se você sente que ainda falta alguma coisa para preencher este vazio que está latente….ou se você quer viver uma vida abundante e plena; busque a Deus com o resto de suas forças….Ele está te esperando para fazer uma grande festa com você! Creia! Ele te ama, e quer Hoje, mudar por completo toda a sua estrutura!

Se quiser, depois me procure, e podemos orar juntas sobre isso!

Em Cristo e por Cristo



Carina Bastos
Postar um comentário